quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Mudar o mundo?

Estava esses dias pensando sobre Steve Jobs. Sua renuncia (já tem bastante tempo, mas só quis escrever isso agora) me fez parar um pouco todas as minhas atividades académicas e ouvir pelo menos uns 5 podcasts, ler pelo menos 10 artigos e participar de 1 discussão sobre o tema. O que eu posso dizer de um homem revolucionário que mudou o modo como pensávamos em alguma coisa pelo menos 5 vezes (até o momento)? Acho que é muito difícil simplesmente falar de um homem assim. Sua história já nos mostra o quão fantástico ele é. Mas uma coisa eu gostaria de aprofundar neste texto (que mais se parece um livro, eu sei).

 Pra quem não sabe, Steve era um maluco. Ele abandonou a faculdade pra se dedicar a uma empresa que ele e seu amigo Woz criaram na garagem de sua casa. Ele viajou para a Índia e viveu um tempo muito religioso. Ele usava LSD, que era uma droga muito utilizada na época. Sim, ele não era uma pessoa normal. Mas quem disse que ser normal é bom?

Quantas pessoas que são normais você conhece que conseguiram fazer algo de diferente? Acho que nenhuma, pois se uma pessoa é normal, ele só irá fazer coisas ordinais. Mas se ela tenta alguma coisa diferente, alguma coisa nova, ela deixa de ser normal. Se torna tudo, menos normal. Ghandi, Martin Luther King, Steve Jobs, Bill Gates, Alexander Grahan Bell e todos os outros grandes revolucionários enfrentaram pessoas que não concordavam com suas ideias. Mas eles desistiram? Não. Por isso sabemos seus nomes. Se tivessem seguido o que alguém queria que ele fizesse, eles jamais seriam reconhecidos hoje. Seriam apenas mais uns dos biliões que viveram até hoje. Mas não, eles acreditaram, foram em frente, batalharam e tiveram seus sonhos realizados. Em outras palavras, mudaram o mundo.

Mas hoje, o que as pessoas querem? Todos que conheço, da minha idade, querem crescer, fazer uma faculdade interessante (de preferência uma federal), ter um emprego que torne-os ricos, aposentar e cuidar dos netos e filhos. Essa é a vida que todos querem. Todos que querem ser normais, que não se importam em mudar o mundo, essa tarefa eles delegam a outros. Mas será mesmo que existem outras pessoas dispostas a colocar a cara a tapa dizendo que querem mudar o mundo?

Acho que sim. 

Mas qual seria o primeiro passo pra mudar o mundo, ou fazer algo diferente do habitual?

Acredito que a primeira coisa que deve ser feita, é olhar ao mundo ao redor e começar a discutir, argumentar, discordar. Se ninguém discutisse nada, os Europeus não viriam para a América, pois achariam que a Terra é quadrada. Isso foi só um exemplo de muitas coisas que nunca aconteceriam se ninguém discutisse algo que é existente.

Mudar o mundo não é tarefa fácil, mas quem disse que eu estou buscando praticidade? Não é isso. Quero desafios, e realmente gostaria que quem leu este texto até aqui, tivesse a mesma Opinião do Editor (sim, eu sei, da próxima vez tento fazer um trocadilho melhor com o nome do blog) e quisesse fazer algo não normal. Eu sei que é difícil, mas será que Jobs, Ghandi, Grahan Bell e Gates tiveram facilidade em sua missão? Não, mas isso fez com que suas conquistas fossem maiores e mais bem admiradas por todos.

Eu gostaria de não ser normal, de ser alguém diferente, de mudar o mundo. E você? Deixe o que pensa nos comentários. 


------  Siga me no twitter: @alvarobpjr  ------

Nenhum comentário:

Postar um comentário