domingo, 26 de fevereiro de 2012

Musicas, letras e rebolation

Eu sou uma pessoa que aprecia muito o barulho produzido por instrumentos musicais (algumas vezes chamado de musica, ou só barulho mesmo). Mas não sou igual a maioria das pessoas da minha idade. Hoje as pessoas gostam cada vez mais de musicas obvias, retardadas e provocativas (esses são os barulhos) que só servem para as pessoas se esfregarem nas micaretas aonde se pega AIDS pelo ar.

O Brasil vem se tornando tão pobre musicalmente que chega a ser triste. Um exemplo para isso são os três últimos sucessos que tivemos que forçadamente ouvir. Rebolation, Liga da Justiça e Ai Se Eu Te Pego. Três "sucessos" que o povo consagrou. Três "sucessos" aumentados ao extremo pela Globo só para ganhar mais e mais audiência. Três "sucessos" pobres.

Musicas sem nenhum proposito, barulhos afinados e com algum vocal. Mais nada. É disso que o brasileiro está gostando. Pior, o brasileiro está ouvindo isso no dia a dia. Lamentavelmente.

A musica era para ser uma obra de arte. Uma diversão para que as pessoas pudessem parar para ouvir e pensar sobre aquilo que lhes passava pelos ouvidos. Não uma justificativa para pegar AIDS.

O Brasil empobreceu sua cultura aceitando Michel Teló, Parangolé e companhia como bandas/cantores famosos. Um país que já teve grandes bandas como Legião Urbana, Capital Inicial, Engenheiros do Havaí e Charlie Brown Jr., além de cantores como Roberto Carlos, Cazuza e Caetano Veloso não merece ver seu legado destruído a pó por musicas bobas e fáceis, que não precisam de nenhuma interpretação de quem está ouvindo.

Isso que eu vejo hoje no mundo musical é um reflexo da preguiça dos seres humanos no mundo da arte. Uma pena.

Olha que eu nem falei do funk.


A verdade é que a musica brasileira morreu junto com Renato Russo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário